Cirurgias Obstétricas

CURETAGEM

curetagemA curetagem uterina é um procedimento médico executado em unidade hospitalar, sob anestesia geral ou locorregional, que objetiva retirar material placentário ou endometrial da cavidade uterina por um instrumento denominado cureta.
Existem duas situações em que se pode recorrer à dilatação e curetagem: para a colheita de material do endométrio/endocolo ou para evacuação uterina (num aborto ou acumulação de sangue ou proliferação do endométrio).
A curetagem, também conhecida por raspagem, é um exame complementar utilizado em ginecologia, quer para diagnóstico quer para tratamento.
Por outro lado, é nesta estrutura que se implanta o óvulo fertilizado e se desenvolve a gravidez. Esta cavidade uterina é fechada por um dos orifícios do colo do útero.
A curetagem pode ser utilizada para recolha de amostras do endométrio, ou para evacuação do conteúdo uterino duma gravidez não evolutiva, associada à alterações fetais que possa constituir uma ameaça para a mãe.
Exige a dilatação do colo do útero para ter acesso à cavidade uterina; a dilatação é feita com instrumentos próprios que se designam de velas; após a dilatação do colo do útero a colheita de material do endométrio ou a evacuação da cavidade uterina é feita com a utilização dum instrumento designado de cureta.
O ato de curetagem deve ser muito bem coordenado, sistematizado e suave no sentido de evitar qualquer complicação e de garantir que toda a cavidade uterina foi corretamente explorada. No caso da colheita de material do endométrio este exame pode ser previamente acompanhado da visualização direta da cavidade uterina através dum instrumento de óptica que se designa de histeroscópio.
A vantagem da utilização prévia deste instrumento é que nos permite identificar as zonas do endométrio que necessitam de ser recolhidas para outro tipo de exames, tratando-se assim de uma curetagem muito bem orientada.
Fontes: Wikipedia e Anita Mulher.com.br

CIRCLAGEM

circlagem 2A circlagem do colo de útero — cirurgia para fechar o orifício que pode provocar o nascimento prematuro do bebê — realizada assim que efetuado o diagnóstico”

Situação em que o colo de útero cede ao peso do bebê quando ele começa a crescer dentro do mesmo e permite a dilatação causando o rompimento da bolsa, o que faz a criança nascer precocemente. ICC –  (Incompetência Istmo Cervical),

Por se tratar da segurança de vida do bebê, cautela e prudência são fundamentais. Antes de realizar a cirurgia, o médico precisa distinguir se a circlagem é “oportuna/profilática”, que acontece nos casos que já se tem o resultado feito de gestações anteriores e após o feto ser considerado normal e viável no ultrassom morfológico do primeiro trimestre (realizada entre a 12a e 14a semanas de gravidez). Ou “terapêutica”, quando o obstetra realiza a cirurgia em situação de urgência, com o colo dilatado e muitas vezes com exposição das membranas (“bolsa das águas”), o que causa riscos de insucessos e complicações. Normalmente essa análise é obtida através do ultrassom morfológico do segundo trimestre com “manobras” (tempo transvaginal para aferição do comprimento do colo uterino), ou de maneira dramática, no Pronto Atendimento das maternidades

Na cirurgia “Oportuna” a paciente recebe anestesia por bloqueio intradural. Em seguida, o médico procede a realização de dois pontos acima do orifício interno do colo que ainda encontra-se fechado.

“O procedimento dura apenas alguns minutos nas mãos de um cirurgião experiente”. Na intervenção “terapêutica”, os cuidados são especiais e podem variar em cada caso.

Durante a recuperação, é proibido qualquer tipo de esforço que afete a região. A colaboração do papai nesse processo será de compreensão e união. Além de poupar a gestante dos esforços, terão que suspender também as relações sexuais. “O problema não é a penetração, mas sim o ‘orgasmo’ feminino. Deve-se evitar atingir o clímax; situação em que as contrações uterinas são vigorosas podendo levar à dilatação do colo”,
“Porém, se não for possível, sempre utilize preservativos, pois o espermatozóide por sua capacidade de progressão para dentro do colo uterino poderá carregar as bactérias para a bolsa das águas levando à sua rotura por inflamação e infecção (Corioamnionite).”

“Essa fatalidade costuma ocorrer entre a 20a e a 28a semana de gestação, época em que o bebê tem peso suficiente para forçar o colo do útero, porém ainda é menor que a bacia materna, precipitando o parto prematuro. Depois da 28a semana, o feto se torna maior que a bacia materna deixando assim de pressionar o colo uterino”,

Parte do artigo “Segura o Bebê” – Portal: Sempre Materna.uol.com.br

 

PARTO NORMAL

É o parto onde o médico Parto normal2simplesmente acompanha o parto. É o parto normal sem intervenções como anestesias, episiotomia e indução.
O ritmo e o tempo da mulher e do bebê são respeitados e a mulher tem liberdade para se movimentar e fazer aquilo que seu corpo lhe pede. A recuperação é rápida.
Para o alívio das dores, é importante a mãe aprender no seu curso de gestantes técnicas de respiração e relaxamento e sentir-se segura do que quer.

                            Fonte: Guia do Bebe.uol.com.br

PARTO FÓRCEPS

parto forceps3É o parto via vaginal (parto normal) no qual se utiliza um instrumento cirúrgico semelhante a uma colher, que é colocado no canal genital da mulher, ajustando-se nos lados da cabeça do bebê para ajudar o obstetra a retirá-lo do canal de parto em casos de emergência ou sofrimento fetal. É utilizado quando o parto já está no final poupando desgastes da mãe e do bebê.

Fonte: Guia do Bebe.uol.com.br

 

CESARIANA

cesariana2A operação cesariana (também denominada cesárea) é uma técnica cirúrgica utilizada para retirar um feto de dentro do útero.
Para a realização da operação, é feita uma incisão transversal ou longitudinal (solução mais rara) sobre a pele da gestante, acima da linha dos pelos púbicos. São sucessivamente abertos só tecidos na seguinte ordem: Epiderme (tecido eptelial, pavimentoso estratificado e quiretinizado),derme(tecido conjuntivo),hipoderme(tecido adiposo)e a aponeurose dos músculos reto abdominais, separados os músculos na linha média e abertos o peritônio parietal, o peritônio visceral e a parede uterina. O próximo tempo é a extração do feto, seguida da retirada da placenta e revisão da cavidade uterina. São então suturados os planos anteriormente incisados.
Dentre os motivos de indicação para realização da cirurgia cesárea no lugar do parto vaginal ou parto normal, estão situações de sofrimento fetal agudo, placenta prévia, lesão por herpes ativa no momento do trabalho de parto, prolapso de cordão, feto em posição transversal no momento do parto (mas um feto em apresentação pélvica não é necessariamente motivo de cesariana) e falha de indução quando há indicação de interrupção de gravidez.

Fonte: Wikipedia

VEJA TAMBÉM: CIRURGIAS GINECOLÓGICAS, clique aqui!