Category Archives: Artigos

Início do trabalho de parto: conheça os sinais

O momento mais desejado pela mãe durante a gravidez é o nascimento do seu filho e o desejo de toda mãe é que a chegada do seu filho aconteça de uma forma tranquila e cheia de amor. O trabalho de parto é um momento que para algumas pode causar muita tensão, ansiedade e marcar para sempre a vida de uma mulher.

O medo e o estresse podem prolongar esse período; sentir-se tranquila e confiante pode ajudar a diminuí-lo. Durante o trabalho de parto, a mulher passa por várias sensações e sentimentos que irá fortalece-la como mulher e mãe. Esse período pode durar em média de 8 a 12 horas. Portanto, é importante que a mulher não se apavore quando surgirem os primeiros sinais, ela terá tempo suficiente para se organizar e chegar ao local do parto.

Veja alguns sinais que indicam o início do trabalho de parto

• Você pode sentir dor na região lombar das costas, muitas vezes acompanhada de uma cólica parecida com a pré-menstrual.

• Você pode notar um muco grosso de cor amarela ou marrom escuro (com traços de sangue), o chamado “sinal” ou tampão mucoso. Se seu tampão mucoso, que cobre o colo do útero, sair, o trabalho de parto pode estar começando.

• Se a sua barriga endurecer a cada 5 minutos, por 30 segundos ou mais, permanecendo assim por mais de uma hora, apresentando dor ou incomodo, não obtendo melhora com repouso.

• Se você perder líquido pela vagina, que escorra pelas pernas, molhe a roupa ou a cama (rompimento da bolsa das águas). Neste caso, mesmo que não sinta as contrações, você deve ir à maternidade, pois precisa ser avaliada por um profissional. É possível uma rotura alta, portanto caso a mulher perceba estar mais úmida que o de costume, precisando inclusive de absorvente, esta deve procurar prontamente um serviço de maternidade)

Dicas

• Procure se manter calma e relaxada para ajudar na evolução do seu trabalho de parto e das contrações.

• Faça o que for melhor para ficar tranquila

• Tome banho morno para aliviar o desconforto e faça atividades, como andar, agachar, para que se possa tornar o trabalho de parto ativo.

• Beber água e comer alimentos leves dão mais força e energia para você e seu bebê.

Para o conhecimento da gestante, é fornecido a Caderneta da Gestante que contém informações sobre as boas práticas que devem ser realizadas no pré-natal, parto e puerpério.

Fonte: Blog da Saúde – Ministério da Saúde


dicas

10 cuidados primordiais para a saúde da mulher

dicasIndependentemente da idade, de bebê à idosa, a mulher precisa ter cuidados essenciais com a saúde. E, desta forma, garantir também a qualidade de vida.
“É de grande importância que as mulheres se mostrem vigilantes sobre a própria saúde, identificando precocemente hábitos nocivos, sintomas físicos e psíquicos e aderindo a hábitos saudáveis”, destaca o Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do Ministério da Saúde.

Fatores sociais, como moradia, alimentação, escolaridade, o acesso à renda, ao emprego, fatores culturais, étnicos, raciais, psicológicos e comportamentais podem levar a mulher ao adoecimento. Por isso, neste dia 8 de março, data internacional destinada à celebração da figura feminina, o Ministério da Saúde preparou uma lista especial: Os 10 cuidados primordiais com a saúde da mulher.

1 – Manter alimentação saudável

Uma alimentação saudável, desde os primeiros dias de vida, como a amamentação e o consumo de alimentos in natura, por exemplo, traz benefícios à saúde. Resulta na redução de fatores de risco para doenças, como o sobrepeso e o aumento do colesterol, além do bem estar físico e mental e da importância do vínculo entre mãe e bebê.

2 – Cuide de sua saúde mental

Identificar precocemente sintomas psíquicos e buscar acolhimento de saúde pode ser decisivo para que haja abordagem oportuna pelos profissionais de saúde.
Afinal, sabe-se que as mulheres se encontram em uma situação de vulnerabilidade por ganharem menos, por estarem concentradas em profissões menos valorizadas, por terem menor acesso aos espaços de decisão no mundo político e econômico, por sofrerem violência doméstica, física, sexual, psicológica, econômica, além da negligência e abandono. Além disso, elas vivem dupla e tripla jornada de trabalho.

Para as mulheres idosas, há ainda a questão do isolamento social e transtornos emocionais devido à aposentadoria, à viuvez, às alterações fisiológicas, e dos sofrimentos provocados por uma sociedade que supervaloriza a juventude e desvaloriza as marcas do envelhecimento feminino.

Além dos sintomas de depressão, outros transtornos mentais necessitam de atenção e cuidado, como os de ansiedade, insônia, estresse e transtornos alimentares. Fatores psicossociais e ambientais estão relacionados à incidência dessas doenças.

3 – Falando de Sexualidade

A sexualidade engloba um conjunto de aspectos que envolvem o prazer, o desejo, a ternura, o amor, que são o resultado da convergência de natureza psíquica-bio-sócio-histórico-cultural. Portanto conhecer o próprio corpo é fundamental para identificação dos pontos de prazer e exercício da sexualidade, em todas as idades. A mulher vai tendo vivências e experiências da sua sexualidade que vão mudando com o passar dos anos.

Nas adolescentes, por exemplo, o início da puberdade é marcado por muitas mudanças como o aparecimento de espinhas, nascimento do broto mamário, pelos pubianos gerando muitas vezes dúvidas e inseguranças.

Falar da sexualidade das mulheres idosas ainda é um tabu, o que dificulta a busca de informação e a superação de obstáculos para que se alcance uma vida sexual saudável e com qualidade nesta faixa etária.

Após a menopausa, por exemplo, as mulheres podem apresentar algum desconforto nas relações sexuais com penetração vaginal, por causa das condições de hipoestrogenismo e, consequentemente, hipotrofia dos tecidos genitais. Utilizar creme vaginal, nestes casos, pode favorecer as condições genitais para o pleno exercício da sexualidade.

4 – Conhecer seu próprio corpo

Você conhece o seu corpo? Esta pode parecer uma pergunta com resposta óbvia, porém muitas pessoas não conhecem seu próprio corpo. Os motivos são os tabus, valores sociais e questões que envolvem sexualidade e gênero.

Todos sabem que a saúde sexual é essencial para homens e mulheres serem saudáveis física e emocionalmente. Porém, ainda é grande o número de mulheres que sabem pouco ou nada sobre a anatomia e o funcionamento do seu corpo.

5 – Realizar exames de rastreamento

O Sistema Único de Saúde oferta exames para rastreio do câncer de colo de útero e câncer de mama para as mulheres de acordo com diretrizes específicas.

O início da coleta do exame Papanicolau, para rastreio do câncer de colo de útero, deve ser aos 25 anos de idade para as mulheres que já tiveram atividade sexual. Os exames devem seguir até os 64 anos e serem interrompidos quando, após essa idade, as mulheres tiverem pelo menos dois exames negativos consecutivos nos últimos cinco anos.

O rastreamento para o câncer de mama, com o exame de mamografia é a estratégia de saúde pública que tem sido adotada em contextos onde a incidência e a mortalidade por câncer de mama são elevadas. A recomendação para as mulheres de 50 a 69 anos é a realização de mamografia a cada dois anos e do exame clínico das mamas a cada ano.

6 – Proteger- se contra IST/HIV

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos. Elas são transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal, anal) sem o uso de camisinha masculina ou feminina, com uma pessoa que esteja infectada. A transmissão de uma IST pode acontecer, ainda, da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação.
A Prevenção Combinada é uma estratégia que faz uso simultâneo de diferentes abordagens de prevenção aplicadas em múltiplos níveis (individual, nas parcerias/relacionamentos, comunitário, social) para responder a necessidades específicas de determinados segmentos populacionais e de determinadas formas de transmissão das IST.

O uso de preservativos feminino ou masculino é a forma de vivenciar a sexualidade de forma segura. Vale lembrar que o uso do preservativo não serve somente para evitar gravidez, mas é fundamental utilizá-lo para prevenção das IST, HIV/Aids. Caso ocorra sexo sem preservativo, procure uma unidade básica de saúde para ter orientações e faça os testes rápidos.

7 – Faça escolhas conscientes sobre métodos contraceptivos

O Sistema Único de Saúde disponibiliza diversos métodos contraceptivos para que adolescentes e mulheres possam escolher a maneira mais confortável de planejar quando, como e se vai querer ter filhos. A mulher pode escolher entre os métodos: injetável mensal, injetável trimestral, minipílula, pílula combinada, diafragma, Dispositivo Intrauterino (DIU), além dos preservativos feminino e masculino.

8 – Busque ajuda em caso de violência

A violência contra as mulheres afeta cidadãs de todas as classes sociais, raças, etnias, faixas etárias e orientações sexuais, e se constitui como uma das principais formas de violação dos direitos humanos, pois atinge as mulheres no seu direito à vida, à saúde e à integridade física.

As agredidas vivenciam situações de medo, pânico, baixa autoestima, ansiedade, angústia, humilhação, vergonha e culpa, perda da autonomia e, muitas vezes, fragilidade emocional. Agouros que abrem margem para quadros clínicos como depressão, síndrome do pânico, ansiedade, distúrbios psicossomáticos, entre outros.

Se está passando por alguma situação que lhe incomoda, converse com pessoas de sua confiança e vá até um serviço de saúde mais próximo de casa para pedir ajuda e tirar dúvidas.

9 – Utilize práticas saudáveis para os sintomas comuns durante os ciclos menstruais e no climatério/menopausa

Medicar o corpo das mulheres, em nome da ciência e de um suposto bem-estar, sempre foi uma prática da medicina, que só será modificada quando as mulheres tiverem consciência de seus direitos, das possibilidades preventivas e terapêuticas e das implicações das distintas práticas médicas sobre o seu corpo.

A medicalização do corpo das mulheres com uso de hormônios durante o climatério/menopausa, por exemplo, encontra um campo fértil no imaginário feminino pelas falsas expectativas como a eterna juventude e beleza.

10- Planeje e vivencie uma gestação saudável

O planejamento reprodutivo é um importante recurso para a saúde das mulheres. Ele contribui para uma prática sexual mais saudável, possibilita o espaçamento dos nascimentos e a recuperação do organismo da mulher após o parto, melhorando as condições que ela tem para cuidar dos filhos e para realizar outras atividades.

O acompanhamento pré-natal assegura o desenvolvimento da gestação, permitindo o parto de um recém-nascido saudável, sem impacto para a saúde materna, inclusive abordando aspectos psicossociais e as atividades educativas e preventivas.

A opção por não ter filhos também deve ser assegurada, e a abordagem nessa situação deve ser livre de preconceitos e crenças por parte dos profissionais de saúde.

Com estas dicas, fica mais fácil cuidar da saúde, em qualquer fase da vida.

fonte: Blog da Saúde – Ministério da Saúde


Como são as etapas da Inseminação Artificial e as chances de sucesso.

etapas da inseminação artificial e as chances de sucessoHá registros de que tal prática já era utilizada no século XVIII, na Inglaterra – de forma bem menos rebuscada, se comparada à atualidade.

Essa técnica da reprodução assistida é utilizada, geralmente, por casais que têm dificuldades na concepção, como no caso de mulheres com alterações no muco vaginal, e homens que produzem espermatozoides com pouca mobilidade.
Para aumentar as chances de uma fertilização bem sucedida, costuma-se induzir a ovulação feminina por meio da utilização de determinados fármacos por cerca de dez dias, estimando a data e o horário mais propício para que seja feita tal introdução. Nesse mesmo dia, é recolhido o sêmen do companheiro.

Este material será tratado com a finalidade de selecionar espermatozoides mais resistentes e móveis, e promover sua capacitação – processo que ocorre naturalmente no muco cervical feminino, promovendo o amadurecimento desses gametas.

Após a capacitação, o sêmen será colocado em um substrato, facilitando o seu transporte no interior do corpo feminino. Depois, com a utilização de uma cânula, ele é introduzido no útero. Como é um procedimento simples, praticamente indolor, não é utilizada anestesia.

Tais etapas são “assistidas” por meio da ultrassonografia, o que permite que os procedimentos sejam acompanhados, sendo possível checar se está tudo dentro dos conformes.

Após a inseminação, a mulher deve permanecer deitada, em repouso, por aproximadamente meia hora; sendo depois liberada.

Em muitos casos, para aumentar a probabilidade de ocorrer a fecundação, ela é inseminada uma segunda vez, no dia seguinte, utilizando espermatozoides recolhidos no dia em questão.

É importante que ela, durante duas semanas, evite ter relações sexuais; e ficar de pé, ou sentada, por muito tempo. Além disso, não deve se esquecer de beber pelo menos um litro e meio de água por dia; e ter uma alimentação balanceada, feita em intervalos regulares.

Após esse período, deve ser feito o teste de gravidez, a fim de checar se a inseminação artificial teve êxito.

As chances de sucesso são de mais ou menos 15%. Considerando que as chances de uma relação sexual sem problemas são em torno de 18%, a estatística é otimista.
Importante:

– O médico é quem define o melhor método para ser adotado pela mulher ou casal, já que a sua viabilidade ou não dependerá de uma gama de fatores.

– Uma vez que, nesse método, é estimulada a ovulação feminina, pode haver o desenvolvimento de mais de um embrião, aumentando os riscos de uma gestação múltipla.
Curiosidade:

Em dias quentes, o calor e a luz natural estimulam a produção de gonatrofina e melatonina: hormônios que atuam nos órgãos reprodutores – por isso as mulheres tendem a se apresentar mais férteis nessa época do ano. Assim, alguns pesquisadores indicam tal momento como o mais propício para se recorrer à inseminação.

fonte: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br


Como se Prevenir do Câncer de Ovário

Prevenção ao Câncer de OvárioA maioria das mulheres tem um ou mais fatores de risco para câncer de ovário, mas os fatores mais comuns apenas aumentam ligeiramente o risco, de modo que só em parte explica a frequência da doença. Até o momento, o que se sabe sobre os fatores de risco não se traduziu em formas práticas para prevenir a maioria dos casos de câncer de ovário.

Existem várias maneiras para reduzir o risco de carcinoma epitelial de ovário, mas muito pouco se sabe sobre como reduzir o risco do carcinoma de células germinativas e tumores estromais do ovário. É importante saber que algumas destas estratégias reduzem apenas ligeiramente o risco, enquanto outras podem diminuí-lo um pouco mais. Algumas estratégias são facilmente seguidas, e outras requerem cirurgia.

Contraceptivos Orais

O uso de pílulas anticoncepcionais diminui o risco de câncer de ovário. As mulheres que fizeram uso por 5 anos ou mais têm um risco diminuído em 50% em comparação com mulheres que nunca usaram contraceptivos orais. Ainda assim, as pílulas anticoncepcionais têm alguns riscos e efeitos colaterais. As mulheres que consideram a administração destes medicamentos, por qualquer motivo, deve discutir os possíveis riscos e benefícios com seu médico.

Cirurgia Ginecológica

Tanto a laqueadura tubária como a histerectomia podem reduzir a chance de desenvolver câncer de ovário, mas essas cirurgias só devem ser feitas por razões médicas. Se você precisar fazer uma histerectomia por razões médicas e tem um forte histórico familiar de câncer de ovário ou de mama, deve considerar a retirada dos ovários e das trompas de Falópio, (salpingo-ooforectomia bilateral), como parte desse procedimento. Mesmo que a mulher não tenha um risco aumentado de câncer de ovário, alguns médicos recomendam a retirada dos ovários junto com o útero se a mulher já teve ou está perto da menopausa. Se você tem mais de 40 anos e vai fazer uma histerectomia, discuta a possibilidade de remoção dos ovários com seu médico.

Estratégias de Prevenção para as Mulheres com Histórico Familiar

O aconselhamento genético pode determinar se uma mulher tem mutações genéticas associadas com o aumento do risco de câncer de ovário. Se o seu histórico familiar sugere que você possa ter uma dessas mutações, o teste genético deve ser considerado.

Antes de fazer os testes genéticos, você deve discutir as potenciais vantagens e desvantagens com seu médico. Os testes genéticos determinam se você ou outros membros de sua família tem certas mutações genéticas que aumentam o risco de câncer de ovário. Ainda assim, os resultados nem sempre são claros, e um geneticista pode interpretar o que os resultados significam para você.

Para algumas mulheres com forte histórico familiar de câncer de ovário, saber que elas não têm uma mutação que aumenta o risco de câncer de ovário pode ser um grande alívio para elas própria e suas filhas.

Os contraceptivos orais também parecem reduzir o risco para mulheres com mutações BRCA1 e BRCA2, mas podem aumentar o risco de câncer de mama em mulheres sem estas mutações. É muito importante mencionar que a relação entre uso de anticoncepcionais orais e câncer de mama não é clara e são necessários mais estudos. Por isso sempre converse com seu médico ele será quem definirá baseado no seu histórico o que é mais conveniente para seu caso.

Tampouco está clara se a laqueadura reduz efetivamente o risco de câncer de ovário em mulheres que têm mutação no BRCA1 ou BRCA2. Por enquanto, existe apenas uma concordância de que a remoção de ambos os ovários e trompas de Falópio protege as mulheres com mutações BRCA1 ou BRCA2 contra o câncer de ovário.

Quando os ovários são removidos para prevenir o câncer de ovário, a cirurgia é chamada profilática. Geralmente, a ooforectomia é recomendada apenas para pacientes de alto risco. Esta cirurgia reduz o risco de câncer de ovário, mas não elimina totalmente a probabilidade de doença. Isso porque algumas mulheres que têm um alto risco de câncer de ovário já têm um câncer no momento da cirurgia. Estes cânceres podem ser tão pequenos que só são encontrados quando os ovários e trompas de Falópio são analisados sob o microscópio (após remoção). Além disso, as mulheres com BRCA1 ou BRCA2 têm um risco aumentado de carcinoma peritoneal. Embora o risco seja baixo, esse tipo de câncer pode ainda se desenvolver após a remoção dos ovários.

O risco de câncer nas trompas de Falópio também é maior em mulheres com mutações BRCA1 ou BRCA2. Em função disso, é recomendado que mulheres com alto risco de câncer de ovário que precisam remover os ovários já complementem a cirurgia com a remoção das trompas.

Algumas pesquisas já mostraram que mulheres na pré-menopausa que apresentam mutações do gene BRCA e tiveram seus ovários removidos têm uma redução de 85% a 95% do risco para câncer de ovário, e de 50% a 60% para o câncer de mama.

fonte: oncoguia.com.br


Avanços nas técnicas de fertilização in vitro dobram chances de sucesso

Category : Artigos

Fertilização in vitro aumenta no BrasilDesde o primeiro bebê de proveta, nos anos 80, custo do tratamento caiu pela metade

No fim de 2013, a advogada Neyla Fernandes estava quase perdendo as esperanças de ter um filho biológico. Diagnosticada pela primeira vez com problemas de saúde que dificultam a concepção natural em 1998, desde então ela já tinha recorrido seis vezes a tratamentos de reprodução assistida e se preparava para dar início ao que seria sua sétima e última tentativa numa nova clínica. Aos 43 anos, Neyla sabia que as chances de sucesso eram baixas. Mas, graças aos avanços nas práticas e técnicas de fertilização in vitro (FIV), em especial nos últimos anos, hoje ela e seu marido, o empresário Luiz Fernando da Costa Flores, se preparam para comemorar o primeiro aniversário de Samuel.

Desde o primeiro dos chamados bebês de proveta no Brasil — Anna Paula Caldeira, em 1984 — os métodos de reprodução assistida viram sua efetividade, isto é, gestações bem-sucedidas levadas a termo com o nascimento de crianças saudáveis, mais que dobrar, dependendo da idade da mulher, enquanto os custos dos procedimentos básicos caíram pela metade em dólares. Mas, para mães tardias como Neyla, os principais ganhos chegaram mais recentemente, como análises genéticas detalhadas dos embriões que asseguram uma maior viabilidade dos que são implantados. No caso da advogada, dos sete embriões gerados no último ciclo de tratamento, as análises mostraram que apenas um estava livre de defeitos, justamente o que resultou no Samuel.

— Desta vez, o grande diferencial foi mesmo o estudo detalhado dos embriões para escolher exatamente o melhor e mais saudável, já que alguns deles tinham algum tipo de síndrome. Nesses casos as gestações acabam em abortos espontâneos ou as crianças nascem com tantos problemas que logo morrem — conta Neyla. — Eu já estava perdendo as esperanças e não ia tentar mais, então resolvi fazer o estudo, pois com 43 anos não dá mais para contar só com a sorte.

Segundo a advogada, o gasto extra com a análise genética, cerca de R$ 4 mil, “valeu à pena”:

— Quando vi o coração dele batendo no ultrassom, já me senti mãe. Você esquece todo dinheiro gasto, cada tristeza dos tratamentos que não deram certo. Foi um milagre. É muita felicidade e um amor incondicional.

Segundo os especialistas, porém, Neyla ainda é um caso raro na área. Dados da Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida (Rede Lara), da Autoridade para Fertilização Humana e Embriologia do Reino Unido (HFEA, na sigla em inglês) e da Sociedade para Tecnologias de Reprodução Assistida dos EUA (Sart, também na sigla em inglês) mostram um grande e abrupto declínio nas chances de sucesso dos procedimentos a partir de aproximadamente os 38 anos de idade. Ainda assim, os avanços foram expressivos nas últimas décadas. Por volta do início dos anos 1990, mesmo em mulheres mais jovens, com menos de 35 anos, só cerca de 20% dos ciclos de tratamento resultavam no nascimento de uma criança. Hoje, esta taxa alcança 45% ou mais, dependendo da clínica. Já entre as mães tardias como Neyla, as chances de sucesso, que ficavam abaixo de 1%, hoje chegam perto de 5%.

— No caso da Anna Paula Caldeira, tivemos que realizar uns 50 a 60 ciclos até o tratamento ser bem-sucedido — lembra Isaac Yadid, que participou da equipe responsável pelo nascimento do primeiro bebê de proveta brasileiro, cuja mãe, Ilza Caldeira, na época tinha 36 anos, e atualmente é diretor médico da Primordia Medicina Reprodutiva. — Fazíamos coisas que hoje, quando paramos para pensar, achamos uma loucura.

Entre as “loucuras” apontadas por Yadid estava a transferência de muitos embriões para o útero das futuras mães. Sem conhecimento sobre a viabilidade de cada um deles, os médicos tentavam desta forma aumentar as chances de que pelo menos um “vingasse”. Disso, porém, resultavam vários casos de gestações múltiplas, isto é, de gêmeos, trigêmeos e até quadrigêmeos, o que, por sua vez, elevavam os riscos da gravidez para as mães e os bebês e a probabilidade de abortos espontâneos que levassem ao fracasso dos tratamentos. Hoje, a tendência é implantar o mínimo de embriões possível, o que novamente vai depender da idade da mulher. Para as mais novas, apenas um, enquanto para as mães mais tardias este número pode chegar a três.

— Todas evoluções que vimos nos últimos anos permitiram que tenhamos embriões de melhor qualidade para a implantação e saibamos quais são eles — conta Paulo Gallo, diretor médico da clínica Vida – Centro de Fertilidade e responsável pelo tratamento bem-sucedido de Neyla. — Com isso, aumentamos as taxas de gravidez com menos casos de gemelaridade ao mesmo tempo que melhoramos muito as chances das mulheres mais velhas que fazem o tratamento. Nelas, o diagnóstico genético pré-implantacional evita a transferência de embriões com problemas e, se o embrião se mostrar normal, a taxa de gravidez independe da idade dela e passa a ser igual à de mulheres mais jovens, por volta de 60%.

MÉDICOS ALERTAM SOBRE ADIAR A MATERNIDADE

Os especialistas, no entanto, temem que histórias de sucesso como as de Neyla reforcem a noção, errônea, de que se pode ficar adiando a maternidade na confiança de que os avanços nas técnicas de reprodução assistida garantirão uma gravidez bem-sucedida no futuro. Segundo eles, por mais que haja melhorias, não é possível “brigar com a natureza”, como definiu Marcio Coslovsky, também diretor médico da clínica Primordia. Ele explica que há uma queda vertiginosa na qualidade dos óvulos e, consequentemente, dos embriões deles gerados a partir dos 30 anos de vida da mulher.

— Sim, evoluímos muito nas últimas décadas, mas também vemos cada vez mais mulheres com 42, 44, 45 anos chegando à clínica em busca de ajuda para terem um filho — conta. — Elas têm tudo contra e querem que façamos algo, mas não dá para ficar brigando com a natureza.

Segundo Coslovsky, para evitar a frustração, e o prejuízo, de vários tratamentos sem resultado, a melhor saída é se planejar, congelando óvulos por volta dos 30 anos para uso posterior, já que, também graças aos avanços recentes, não há praticamente mais nenhuma diferença nas chances de sucesso das técnicas, quer se use um óvulo congelado ou um “fresco”. Opinião parecida tem Pedro Monteleone, coordenador-técnico do Centro de Reprodução Humana do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de São Paulo e diretor da Clínica Monteleone de Reprodução Humana:

— Após os 35 anos, a situação fica mais difícil. Podemos ajudar mulheres mais velhas, mas adiar a maternidade tem que ser reavaliado.

PREÇO SÓ NÃO CAIU MAIS POR CAUSA DA ALTA DO DÓLAR

Os avanços na área de reprodução assistida não se limitam a avaliações genéticas dos embriões e novos exames para evitar doenças e aumentar as chances de sucesso dos tratamentos. Mudanças nos equipamentos, ambiente e práticas de laboratório também contribuem para aumentar a taxa de bebês nascidos, assim como para reduzir os custos. Apesar disso, eles não são nada baratos, ainda mais com a alta do dólar. Isto, bem como o medo de contrair zika e correr o risco de ter um bebê com microcefalia, têm feito algumas mulheres adiarem os planos de engravidar.

Devido ao dólar nas alturas, nas clínicas particulares, cada ciclo costuma sair por, em média, R$ 15 mil. E o preço não costuma incluir drogas para estimular a ovulação, e os exames genéticos são pagos à parte. Já em ambientes acadêmicos, como no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de São Paulo, os tratamentos são subsidiados pelo Estado, mas a fila é longa e exclui mulheres que querem ser mães tardias.

— Quando comecei na área, há 20 anos, o custo de cada ciclo ficava entre US$ 5 mil e US$ 7 mil, mas hoje dá para fazer um tratamento por cerca de US$ 3 mil ou menos — diz Pedro Monteleone, coordenador-técnico do Centro de Reprodução Humana do HC-FMSP, que na sua clínica particular cobra R$ 20 mil por ciclo, incluindo a medicação, mais R$ 6 mil pelo diagnóstico genético, se indicado, dependendo do número de embriões avaliados. — Mas hoje podemos encontrar clínicas que oferecem tratamentos de reprodução assistida por R$ 10 mil. Ainda é caro, mas no passado não havia esta possibilidade de procurar preços mais baixos.

Outro especialistas, no entanto, destacam que muitos destes avanços demandam trocas de equipamentos nos laboratórios sujeitas a burocracia e altos impostos, e os medicamentos mais modernos e novos meios de cultura dos embriões também estão bem mais caros aqui devido à alta do dólar.

fonte: oglobo.globo.com